ENTIDADES QUE ATUAM NA UMBANDA

Obs. A estrela de seis pontas – símbolo do equilíbrio é uma das representações gráficas características da Umbanda

No triângulo que aponta para o alto, situamos as entidades que atuam no plano espiritual:

1 – Orixá – podemos defini-lo como entidade de alto poder espiritual que tem seu plano vibratório na natureza e atua nos templos de Umbanda como foco de luz e energia irradiadas por seus mensageiros, Caboclos e Pretos velhos, que vem até nós através de seus aparelhos mediúnicos. O Orixá não teve vida terrena.

2 – Povo d’Água – as Caboclas, mensageiras das Senhoras de Umbanda, Mães espirituais, de acentuado poder fluídico. Atuam na purificação dos ambientes e no auxílio daqueles que recorrem aos templos de Umbanda em busca de conforto e de orientação espiritual.

3 – Criança – entidade dotada de elevada espiritualidade. Tem acesso aos planos superiores onde firma a vibração dos trabalhos efetuados pelos guias de Umbanda. Simboliza a pureza.

No triângulo que aponta para o mundo material assinalamos os Guias e Protetores que baixam em nossos templos no cumprimento de sua missão de caridade, no atendimento aos irmãos necessitados da proteção que os auxilia a superar as dificuldades da vida terrena. São eles:

1 – Caboclo – mensageiro dos Orixás, portador da força vibratória destes. Atua no passe, na revitalização de energia, no preparo do aparelho mediúnico – doutrina e prática. Simboliza ação de energia. Os Caboclos trazem a vibração de Oxossi, havendo igualmente Caboclos na vibração de Ogum e de Xangô.

2 – Preto Velho – simboliza a humildade e sabedoria. Conhecedor da magia, aplica- a no decorrer da sua atuação, desde o diálogo com o filho de fé até as correntes firmadas em seus trabalhos.

3- Exu – elemento indispensável aos trabalhos de limpeza fluídica mais pesada, procura captar os elementos atrasados, atraindo-os para um trabalho produtivo que os conduzirá ao primeiro degrau do progresso espiritual.

Exu trabalha sob a orientação do Caboclo e do Preto Velho cortando o mal, afastando obsessores, ajudando a superar obstáculos.

Como em todos os planos, também entre os Exus existe hierarquia. Quando o Exu se encontra em fase primária de evolução, está sujeito a se desviar do rumo positivo quando o médium dirige o trabalho visando o mal. Aumenta assim, a responsabilidade do médium, pois além de alimentar pensamento negativo para um irmão, atrasa a evolução do Exu e este, cedo ou tarde, virá cobrar o prejuízo que lhe causou atendê-lo.

Devemos considerar que isto não pode ocorrer num templo espiritualmente bem orientado. Todavia, cumpre manter vigilância, porque a todos é concedido o livre arbítrio.